Pedalando na América Austral

Alguns planos e pensamentos da grande aventura que se aproxima…

Sim, essa é a realização de um grande sonho e como todo sonho a motivação é algo estranho de se explicar, mas vou tentar, sempre tive uma grande vontade de realizar uma grande viagem, com data para sair e sem saber com certeza a data de retorno, sempre tive vontade de realizar uma grande aventura explorando novos lugares, fazer um mochilão com vários destinos, acampar, ter a oportunidade de ver paisagens únicas e lindas, viajar de bicicleta percorrendo um pequeno trecho a cada dia para no final ter uma grande experiência de vida percorrendo uma pequena parte do mundo.

Penso que o mundo é grande demais, com incontáveis belas paisagens e lugares interessantes e nossas vidas muito curtas para ter medo de conhece-lo.

Apesar da frase acima não vou percorrer todo o globo, não que uma viagem desse tamanho não seja interessante, pelo contrário é algo incrível e eu invejo de forma saudável os que conseguem, desde o início do planejamento sempre soube que haveria um limite para a viagem e que eu teria que tentar expandi-lo o máximo possível, então meu foco desde o início foi para a região do mundo que mais desejo conhecer… Patagônia… A região que compreende o sul da Argentina e Chile, não é o único ponto que merece um destaque nesse roteiro, mas sempre foi o meu ponto focal para essa viagem, sempre foi meu sonho ir até lá, sei que é um lugar que muitos já foram e provavelmente um dos lugares onde mais se encontram viajantes e aventureiros, talvez lendo isso alguém diga “…mais uma viagem pela Patagônia”,  eu digo, sim mas é a minha viagem pela Patagônia e mais algumas regiões da América do Sul.

Estou dando a essa viagem o nome “Pedalando na América Austral”, apesar de longo o nome é simples e diz tudo sobre a viagem, ou seja, é uma viagem de bicicleta pela América do Sul, porque não chamar a viagem de “Pedalando na América do Sul”, austral significa localizado no austro, ou localizado no sul, isso dá ênfase já que minha viagem será limitada a metade sul de nosso continente, e claro a palavra “Pedalando” faz parte do nome do blog, o que dá um pouco de propriedade a viagem.

Dúvidas, dúvidas e mais dúvidas…

Sinceramente, apesar de um sonho surgem muitas dúvidas quando deixo a empolgação um pouco de lado e penso em tudo que está acontecendo, demorei um pouco até colocar todos os pensamentos em ordem para decidir seguir em frente com esse projeto, algumas questões são simples outra nem tanto, quando decidi contar para a minha família o que eu estava planejando foi um choque para minha mãe e meu pai, demorou um pouco para eles compreenderem e aceitarem que essa era minha vontade, acredito que é pelo instinto dos pais de sempre querer proteger os filhos, mesmo assim a carga emocional envolvida é muito forte, eles tem medo quanto a minha segurança, já o meu irmão e minha irmã ficaram felizes e empolgados com a ideia.

Outro ponto a levar em consideração foi a decisão de deixar a segurança do emprego para ficar vários meses gastando com parcimônia os recursos que consegui para a viagem, isso me assusta um pouco, pensar no pós-viagem assusta um pouco mais pois após meses fora vou precisar achar um novo emprego e provavelmente com pouco dinheiro para fazer um curso que acelere o processo, enfim pensar em tudo isso não foi fácil.

Pretendo economizar o máximo possível levando comigo equipamento de camping e onde não for possível acampar irei ficar em albergues ou algum hotel bem simples e barato ou até mesmo utilizar de alguma hospedagem solidária, também vou cozinhar minha própria comida, fazendo o abastecimento em pequenos mercados pelo caminho, isso irá baratear o custo de alimentação durante a viagem.

Acho que no fim das contas se fosse possível colocar em uma balança os medos e o custo total da viagem contra a experiência vivida e a grande quantidade de lugares visitados, acredito que essa balança nunca iria ficar equilibrada.

Uma prévia do roteiro

A Patagônia sempre foi o foco da viagem, mas o roteiro não é restrito a essa região, há várias outras áreas interessantes no caminho, mas eu comecei a desenhar o roteiro pela vontade de conhecer a cidade mais ao sul do mundo, Ushuaia que é a capital da Província da Terra do Fogo (nome oficial: Província da Terra do Fogo, Antártida e Ilhas do Atlântico Sul) na Argentina, mas para chegar lá vou iniciar a viagem no Brasil sendo mais específico em Santa Catarina, apesar de morar em Santo André no estado de São Paulo.

A partida em Santa Catarina é porque nos primeiros dias da viagem terei a companhia do meu grande amigo de pedal o Xikaum do Clube Fome de Estrada, sempre tivemos como objetivo em comum pedalar na Serra do Rio do Rastro e essa será a oportunidade, será possível acompanhar o início da viagem pelo ponto de vista do Xikaum em seu site sob o nome de Expedição Santa Catarina.

ExpediçãoSantaCatarina

Após esse momento inicial, o Xikaum irá retornar para São Paulo e eu irei seguir meu destino rumo as terras austrais, irei atravessar a fronteira Brasil/Uruguai pela cidade de Chui, no Uruguai sigo pelo litoral, e faço o contorno passando pela capital Montevideo, pretendo continuar até a travessia para a Argentina por terra, mas caso necessário atravesso para Buenos Aires pela balsa.

Na Argentina, pretendo seguir sempre para o sul, com o mínimo de desvios possíveis pela Ruta Nacional 3, claro que há alguns pontos de interesse nesse caminho como a Peninsula Valdes, seguindo para o sul finalmente chego na Terra do Fogo. A viagem não acaba em Ushuaia, irei fazer o retorno em um zigue-zague entre Chile e Argentina, com destaque para a Carretera Austral, vou percorre-la do sul para o norte, começando em Villa O’Higgins e terminando em Puerto Montt acho que será difícil visitar tudo que eu gostaria, mas pretendo visitar diversos parques que existem em toda a extensão da Carretera Austral.

Em Puerto Montt vou considerar o objetivo principal dessa viagem cumprido, nesse ponto vou tentar avaliar se meus recursos são suficiente para continuar o roteiro, qualquer corte de roteiro ou até mesmo o retorno antecipado para casa sem nenhum motivo de emergência será desse ponto em diante, seguindo o roteiro vou atravessar novamente para a Argentina para explorar a região próxima a Bariloche, não vou fazer nenhum gasto desnecessário aqui só vou passar para conhecer, e então seguir pelo território argentino até Mendonza, onde irei atravessar novamente para o Chile. Sempre indo para o norte o objetivo é chegar em San Pedro de Atacama, então atravesso a fronteira com a Bolívia para chegar no Salar Uyuni. Após chegar em Uyuni o roteiro não está muito bem decidido, penso em duas opções a primeira seria continuar indo para o norte até chegar no Peru, a segunda opção é ir para Santa Cruz de la Sierra e de lá para Corumbá no estado do Mato Grosso do Sul.

Este roteiro pode ser modificado para incluir novos destinos ou retirar algum destino de acordo com o andar da viagem, e como escrivi o fim do roteiro não está definido e eu estou pensando em deixar assim, calma isso não quer dizer que não vou concluir a viagem ou ficar viajando para sempre, nada disso, eu apenas não penso em realizar o plano perfeito com tudo planejado do começo ao fim e seguir tudo à risca, o roteiro é meu guia mas posso altera-lo ao meu gosto.

Além do pedal

Essa viagem não é apenas para pedalar de ponto-a-ponto, chegando e saindo sem ver o que há em volta, não é uma competição e muito menos uma tentativa de recorde de velocidade, distancia ou qualquer coisa do tipo.

Pretendo explorar os lugares e cidades interessantes em meu caminho, e talvez algum museu, em regiões onde há parques ambientais pretendo encontrar algum lugar seguro para deixar a bicicleta guardada pegar uma mochila e meia dúzia das minhas tralhas e fazer um trekking para chegar em um mirante, um vulcão, uma montanha, uma geleira, um lago ou uma cachoeira…banho gelado…rs.

Estou reservando alguns dias para descanso, então até mesmo quando estiver em algum lugar sem grandes atrações, caso eu sinta que é hora, vou ficar parado um dia ou dois para descansar e repor as energias, então desde já, essa é uma viagem em ritmo lento, para ver, apreciar, conhecer e descansar.

O Registro da viagem

É certo que não vou achar internet todos os dias para postar um comentário ou foto que seja, talvez nem telefonar para minha família vou conseguir, também não é objetivo da viagem ficar conectado o tempo todo e deixar passar um belo pôr-do-sol despercebido…mas sempre que possível vou tentar fazer alguma atualização aqui ou na página do blog no facebook, e quando possível em um dia de descanso eu dedique um tempo para criar um post mais elaborado. De qualquer forma sinta-se à vontade para seguir meu blog, pois uma hora ou outra haverá alguma atualização da viagem.

Bom pedal e até a próxima!!!