Brevet 200 – Campos do Jordão

Após o termino do calendário BRM 2012, decidi que não participaria dos brevets de 2013 para poder tocar outros projetos, portanto 2013 foi o ano que menos girei os pedais. Enfim, fiquei angustiado querendo voltar a participar dos brevets e o decidi fazer quando se iniciaram os brevets validados para 2014.

Na estrada - Brevet 200 - Campos do Jordão
Na estrada – Brevet 200 – Campos do Jordão

Sendo assim, no dia 07/12/2013 ocorreu o Brevet 200km de Campos do Jordão, valido para o calendário BRM 2014, com um novo trajeto mais desafiador, um prato cheio pra quem gosta de subidas…será esse um estudo para uma Super Randonée permanente???

Vistoria
Vistoria

Como disse anteriormente, pedalei muito pouco nesse ano, e por conta disso não consegui manter uma rotina de treino constante, sabia que estava despreparado até para o trajeto antigo. Mesmo assim, fiquei inquieto até decidir fazer a inscrição no último instante, quando as vagas remanescentes foram reabertas.

Meu preparo foi mais mental do que físico, minha preocupação não foi a distância e sim a altimetria; fui consciente que iria sofrer e enfrentar desafios por lá!

Finalmente chegou o grande dia: bike pronta e ciclista destreinado! Vamos para a largada! Largada esta que igualmente ao trajeto antigo, aconteceu no posto Castelão à beira da estrada. Durante a vistoria e o briefing havia muitas nuvens e tudo indicava que seria um dia chuvoso e de temperatura amena, ledo engano: o sol apareceu pra torrar todo mundo que resolveu subir a serra!

Subindo a Serra
Subindo a Serra

Até Santo Antônio do Pinhal o caminho era o mesmo do trajeto anterior, e já nesse trecho percebi que a minha falta de treino iria cobrar seu preço, então fui devagar e sem afobação. Nesse trecho, fui conversando com o Max, um cara muito gente boa que estava curtindo o brevet com sua Caloi 10, logo após passar Santo Antônio do Pinhal, veio o trecho novo que passava por Monteiro Lobato e seguia para São Francisco Xavier e claro, mais trechos de serra por todo o caminho!

Foram 90km desde a largada até o PC1 em São Francisco Xavier. Chegando lá, resolvi comer o máximo possível e me abastecer de água e gatorade, pois a volta seria igualmente pesada. Nesse caminho, encontrei outro randonneur que estava se queixando de câimbras, seguimos devagar tentando recuperar um pouco de tempo nas descidas e escassos trechos planos.

PC1 em São Francisco Xavier
PC1 em São Francisco Xavier

Nas subidas, o calor era agravado pela baixa velocidade (em baixa velocidade você não sente aquela brisa gostosa proporcionada por um ritmo mais rápido e a sensação térmica sobe). Me senti cozido vivo  em alguns momentos. Minha sorte foi encontrar duas bicas de água na serra para aliviar o calor.

Aquele camarada que estava com câimbras, contou que dias antes da prova estava internado e o médico queria opera-lo e ele disse que só iria operar depois da prova…esse foi guerreiro…Ficamos conversando sobre quanto tempo levaria para terminarmos a prova, disse a ele que nós terminaríamos, mas com o tempo no limite.

Após o PC1, mais subidas
Após o PC1, mais subidas

Passamos pelo PA, não podíamos demorar muito por causa do tempo escasso.Mesmo assim, aproveitei pra matar a vontade de algo gelado e comprei um sorvete, abasteci a caramanhola e vamos lá para o último trecho de serra!

O Ricardo, aquele camarada das câimbras, saiu na frente e alguns quilômetros depois, o encontrei caminhando para descansar um pouco.

Quase no fim da serra, chegando em Campos, o carro da organização passou por nós e perguntou se estava tudo bem, a resposta foi ”Devagar a gente chega.”..rs…

Chegando no PA
Chegando no PA

O fim da serra chegou e junto com ele veio o alívio, mas a falta de tempo fez com que a travessia de Campos do Jordão para chegar ao Capivari virasse uma corrida desesperada contra o tempo para chegar ao PC2 antes do fechamento que era às 19:15, passamos por lá às 19:06. Um rápido abastecimento e saímos do PC, pois o encerramento da prova era às 20:30 e ainda faltavam 38km…Nessas horas fazer contas de quilometragem versus tempo pode dar desespero…rs

Iniciamos a descida ainda com pouca luz do sol, ainda em companhia de um ciclista que estava conosco desde a subida da serra e que se distanciou! Uma das coisas legais do ciclismo é isso, é fazer colegas pelo caminho!

A descida da serra com mais ou menos 19km, foi muito rápida e pareceu compensar todas as subidas acumuladas, fazendo muita diferença naquela conta desesperadora de quilometragem versus tempo.

Após a descida lembrei que ainda tinha no bolso da camisa…uma maçã, que peguei no PC2, tava gostosa…rs

Fiquei olhando o relógio e pensando: ”Falta muito pouco”. Cheguei no trevo de Tremembé, o último trevo da planilha da prova. Ver o trevo deu uma sensação de alivio, pois faltavam menos de 2km pra chegar ao posto, olhei pra trás e vi o Ricardo, o guerreiro, a alguns metros.

Fomos os dois últimos a chegar, mas tivemos uma recepção calorosa, a cronometragem oficial foi de 13:29, sendo que o tempo máximo  para o brevet 200 deve ser  de 13:30. Consegui concluir o trajeto mesmo com minha falta de treino e o Ricardo foi guerreiro até o fim lutando com suas câimbras.

Eu e o Ricardo ao completar a prova
Eu e o Ricardo ao completar a prova

Parabéns a equipe do Audax Randonneurs São Paulo pelo brevet muito bem organizado, pelo novo trajeto desafiador cheio de serras e com belas paisagens.

Clique aqui para ver meu registro no Strava.

Agora é esperar o próximo brevet, e claro vou voltar a organizar meus treinos para o próximo.

Bom pedal…e até a próxima.

Galeria de fotos

Comentários