17º Paris-Brest-Paris 2011 – Parte 1 (Classificação)

Eu não poderia deixar falar do Paris-Brest-Paris, talvez uma das mais importantes histórias que eu poderia escrever aqui, sei que esse relato vem com muito atraso, pois a última edição do PBP foi a 17ª que aconteceu entre os dia 21 a 25 de agosto de 2011, então não vou recordar alguns detalhes, nem mesmo o que aconteceu PC por PC da prova, mas espero conseguir contar como foi participar dessa prova e também todo o caminho percorrido para chegar até lá, pensando nisso preparei dois posts, nessa primeira parte falo da classificação, e no próximo post conto como foi ir para França participar desse grande evento.

Foto_post1

O Paris-Brest-Paris, para quem não sabe, é um brevet que acontece a cada 4 anos organizado pelo Audax Clube Parisien, com um trajeto com mais de 1.200km quem tem a largada em Saint-Quentin-en-Yvelines (+ ou – 30km do centro de Paris), vai até Brest na região da Bretanha e retorna até em Saint-Quentin-en-Yvelines. Para percorrer todo o trajeto, o participante tem o tempo máximo de 90 horas (há outras categorias com tempos limites diferentes), vale a pena lembrar que o PBP é um grande encontro mundial e em 2011 teve quase de 6.000 participantes.

A Classificação

Quando ainda estava iniciando minhas participações nas provas de Audax (Randonneur), ouvi falar do PBP pela primeira vez, fiquei curioso para saber como era a prova, isso me levou a fazer algumas pesquisas na internet e com isso cada vez mais a expectativa por mais informações vindas do Audax Clube Parisien aumentava, até que no fim de 2010, com o termino das provas daquele ano e a divulgação do calendário de 2011 eu teria a oportunidade de ver as datas das provas necessárias para realizar a inscrição no PBP, já estava decidido a participar…mas eu estava sem bicicleta 🙁 …pera aí, vou voltar um pouco e contar o que aconteceu.

Em outubro de 2010, bandidos aproveitando que não tinha ninguém em casa, invadiram e entre os itens furtados lá se foram as bicicletas, sem seguro das bicicletas fiquei no prejuízo, e demorei um tempo sem saber se comprava outra ou esperava para ver se conseguia alguma pista que levasse a recuperação das bikes.

Voltando ao ponto em que parei…mesmo sem bicicleta comecei a ficar inquieto pois as provas para 2011 já estavam marcadas, para se inscrever no PBP o ciclista tem que completar um série chamada Super Randonneur que consiste em realizar os brevet de 200, 300 400 e 600 quilômetros com sucesso no mesmo ano/calendário do PBP, o calendário tem início em novembro e encerramento em outubro no ano seguinte.

Eu estava com medo de perder o a inscrição seja por tempo ou por limite de vagas, então olhando o calendário vi que as provas mais adiantadas aconteciam no Rio Grande do Sul e as provas de São Paulo eram mais separadas, sendo o brevet 600 realizado já no meio do período de inscrição do PBP, então montei um plano “doido” de ir 4 finais de semanas para o Rio Grande do Sul participar das provas entre os meses de novembro de 2010 a fevereiro de 2011 levando minha bicicleta. Que bicicleta?!

Corri na Bike Time (clique aqui para visitar o site) falar com o Zé Maria, minha primeira opção era pega uma Jamis Ventura Comp igual que me foi furtada, mas já não tinha mais disponível, o representante da Jamis aqui em São Paulo estava esperando o lote de bicicletas pro ano seguinte, eu não tinha esse tempo, então procuramos outra e a escolha foi uma Merida Road Race 901.

Merida Road Race 901
Merida Road Race 901

Nesse meio tempo, enquanto esperava a bike, conversei com meu gerente na empresa e expliquei que precisava de umas datas especificas para participar de alguns “eventos”, precisava de uma sexta-feira aqui, uma segunda-feira ali, dependendo do “evento” e que eles estava relacionados, se obtivesse sucesso em um teria que participar do outro, passei as datas, estava com um medo danado de receber um não, mas foi tranquilo e ele me concedeu as trocas dos dias pelo banco de horas.

Em algum lugar no meio do Brevet 200 - Santa Cruz do Sul – RS
Em algum lugar no meio do Brevet 200 – Santa Cruz do Sul – RS

 A primeira prova da série foi em Santa Cruz do Sul, um brevet 200 organizado pelo Santa Ciclismo no dia 20 de novembro de 2010, comprei a passagem para o dia 19/11/2010 para Porto Alegre, umas duas semanas antes da prova, até mesmo antes de pegar a bicicleta o que aconteceu uma semana antes de embarcar, já em Porto Alegre é necessário pegar um ônibus para Santa Cruz do Sul, aluguei na Bike Time uma mala-bike para transportar a bike no avião em todas as provas em que foi necessário um deslocamento como esse, a bike sempre chegou em ordem.

Durante essa primeira prova de 200 km no Sul, não me liguei muito no que estava acontecendo, o que estava fazendo, cheguei a pensar que iriam até me fazer algum tipo de crítica por ter ido tão longe para pedalar um Brevet 200, mas fui muito bem recebido e completei a prova.

Entrega medalha e certificado Brevet 200 - Santa Cruz do Sul – RS
Entrega medalha e certificado Brevet 200 – Santa Cruz do Sul – RS

Em algum lugar no meio do Brevet 200 – Santa Cruz do Sul – RS

Foram quatro provas no Rio Grande do Sul, durante um período de tempo, tive uma pequena rotina de organizar minhas viagens, comprar passagens de avião e ônibus, reservar hotel, fazer revisão na bicicleta, alugar a mala-bike e ir viajar.

Prova Data Local Organizador Resultado
Brevet 200 20/11/2010 Santa Cruz do Sul Santa Ciclismo Homologado, 12h40m
Brevet 300 02/12/2010 Santa Maria Audax Santa Maria Homologado, 19h45m
Brevet 400 08/01/2011 Santa Cruz do Sul Audax Santa Cruz Homologado, 26h39m
Brevet 600 26/02/2011 Venâncio Aires Audax Santa Cruz Não Completei

Um pequeno resumo sobre as provas do Rio Grande do Sul, o brevet 300 de Santa Maria, foi realizado à noite, com largada as 16h pra fugir do calor, eu viajei no mesmo dia da prova, cheguei faltando 2 horas para o início da prova…correria total, sem comer nada consistente fui para a prova com apenas um lanche frio que comprei na padaria ao lado do local de largada, também foi nessa prova que tomei um dos maiores sustos que já tive, enquanto pedalava cochilei na bike e atravessei toda a pista, acordei quando estava prestes a cair no acostamento da pista oposta, mas não cai, tudo acabou bem.

Entrega medalha e certificado Brevet 300 - Santa Maria – RS
Entrega medalha e certificado Brevet 300 – Santa Maria – RS

O brevet 400 de Santa Cruz do Sul, foi uma das mais duras provas de 400 km que fiz, também foi um das mais divertidas, o clima entre os participantes era de festa, começando pelo tom de bom humor do organizado Luiz Faccin que logo no briefing declara que _ Vocês são todos malucos pra ir pedalar 400 km no primeiro fim-de-semana do ano, deviam estar de férias.

Entrega medalha e certificado Brevet 400 - Santa Cruz do Sul - RS
Entrega medalha e certificado Brevet 400 – Santa Cruz do Sul – RS

O 600 em Venâncio Aires foi a prova com mais adversidades, entre outras coisas, a prova foi parcialmente cancelada por recomendação da Policia Rodoviária, pois naquele fim de semana tinha Formula Truck no autódromo de Santa Cruz do Sul e as estradas estariam cheias, apenas pedalou naquele dia quem era de longe e já estava com viagem marcada pra lá, os demais foram no fim-de-semana seguinte, uma chuva muito forte forçou uma alteração do percurso no meio da prova por questões de segurança para os ciclistas, também teve um trecho da estrada que entrou em obras de recapeamento naquela semana, deixando a estrada em péssimas condições. Infelizmente perdi muito tempo nessa prova e não consegui homologar.

Eu e Cezar Augusto Barbosa durante o Brevet 600 - Venâncio Aires - RS
Eu e Cezar Augusto Barbosa durante o Brevet 600 – Venâncio Aires – RS

Ganhei muita experiência nessas quatro provas realizadas no Rio Grande do Sul, pedalei ao lado de randonneurs mais experientes e alguns já tinham participado do PBP, ouvi muitas histórias e conselhos sobre as provas mais longas.

Eu e Junior na largada do Brevet 400 em Santa Cruz do Sul -RS
Eu e Junior na largada do Brevet 400 em Santa Cruz do Sul -RS

Apesar de não completar o brevet 600 de Venâncio Aires, fiquei chateado no momento, mas não desanimei e pensava em tentar de novo, o próximo 600 que eu poderia participar era em Curitiba no dia 16 de março de 2011, fiz minha inscrição, a largada era a 00h00, resolvi ir de carro acabei chegando um pouco cansado da viajem, mas estava disposto para pedalar. Chegando lá encontrei o Junior e sua esposa eu já os conhecia de outros brevets. Fiquei conversando um pouco com eles enquanto arrumava as coisas para a largada. Infelizmente não era meu dia, e se algo tinha que dar errado…deu errado com certeza L… dos 600 quilômetros da prova, pedalei cerca de 200, tive 4 pneus furados em 150 quilômetros, as duas bombas que eu estava carregando quebraram e não conseguia colocar nada de pressão nos pneus, com a ajuda de um dos organizadores consegui encher um pouco o pneu e chagar até uma bicicletaria que não vendia câmaras de speed e também não tinha bomba para válvula presta…mesmo assim deu-se um jeito, o conserto foi suficiente para chegar até o posto de controle e esperar uma carona da organização para retornar ao local de largada.

Em paralelo a essas provas eu vinha fazendo as provas de São Paulo também, realizei com sucesso o 200 de Campos do Jordão e 300 de Boituva e havia enviado a ficha de inscrição para o 400, mas após o fiasco que foi minha participação no brevet 600 de Curitiba, eu realmente fiquei desanimado, não tinha animo para pensar em participar de outra prova, não paguei a inscrição do 400 o que resulta no cancelamento da mesma e também parei de treinar.

Em algum PC no Brevet 400 - Santa Cruz do Sul - RS
Em algum PC no Brevet 400 – Santa Cruz do Sul – RS

Apenas lembro do fato, não sei dizer quando ocorreu, acredito foi no fim de abril ou no começo de maio, conversando com minha namorada sobre tudo isso que tinha acontecido, e o desanimo das provas e que nem pensava mais em ir para o PBP, ela me diz totalmente o contrário, que eu realmente devia ir, devia tentar mais uma vez, que fui viajar pra fazer as provas no sul e não podia jogar isso fora, ainda tinha uma última chance.

A última chance era o brevet 600 de Holambra, realizado no dia 18 de junho de 2011, já durante o período de inscrições do PBP, também foi o último 600 realizado no Brasil antes do PBP. Mais animado pela conversa, preenchi a ficha de pré-inscrição e semanas depois ficha de inscrição do PBP deixando vago o espaço para ser preenchido com a prova de 600km.

Fui para prova pensando “agora vai…”, nessa prova senti muitas dores na perna, também não sei se um cochilo de 15 minutos pode ser citado como uma bela noite de sono, mas foi o que eu consegui “descansar”, quase dormi na beira da estrada após tomar um relaxante muscular para as dores na perna, foi quando parei em uma churrascaria para tomar uma Coca-Cola e um RedBull, descansei um pouco, apenas me lembro de ter ficado desesperado com o tempo e pedalar freneticamente para chegar a tempo no penúltimo posto de controle, em resumo consegui completar a prova em 39h18m e com isso veio o alivio, completei meu primeiro 600, a inscrição para o PBP está garantida.

Sem dúvida o certificado mais bonito que eu tenho
Sem dúvida o certificado mais bonito que eu tenho

Acho que não se passaram dois dias após Holambra, entrei no site do PBP para conferir minha ficha de inscrição e a lacuna do Brevet 600 estava preenchida, completei a ficha selecionando os itens que eu queria, camiseta, Jersey, dvd, colete e a bandana para ajudar o Japão que tinha sofrido uma catástrofe por causa do Tsunami que aconteceu em Março daquele ano. Fiz o pagamento on-line, e nesse meio tempo também comprei passagens, mandei e-mail para o pessoal que estava se organizando para ir e reservando um hotel em grupo, em poucos dias consegui reservar um segundo hotel para conhecer Paris nos dias após a prova, seguro de viagem, o passaporte eu já estava tirando…foi um tremendo trabalho, mas tudo se resolveu e eu estava pronto para viajar.

Em breve vou postar a segunda parte onde falo sobre a viagem, a prova e o apoio que recebi para participar do Paris-Brest-Paris.

Até a próxima!!!

Galeria de fotos